13 de setembro de 2018

Ultimamente a Netflix tem investido ainda mais em produções próprias pro público adolescente e que gosta do gênero romance, e eu, como uma assídua dos filmes de “sessão da tarde” pra relaxar e passar tempo, é claro que não poderia deixar mais esse de fora da conta, né? Então se prepara e segue comigo pro mundo de Sierra!

(Reprodução Netflix)

Sierra Burgess is a Loser é a mais nova comédia original da Netflix, que estreou logo agora em Setembro e está dando o que falar nas redes sociais! O filme conta a história de Sierra (interpretada pela Shannon Purser, a eterna Barb de Stranger Things!), uma jovem brilhante com pais igualmente brilhantes, e que enfrenta as dificuldades da vida adolescente em uma escola típica. Até aí nada novo sob o sol, certo? Mas o bônus é que Sierra é uma jovem fora do padrão comumente imposto na sociedade, e isso a faz ter uma relação delicada consigo mesma.

Sierra tem o melhor amigo Dan (RJ Cyler) que a acompanha nas aulas e na vida, e como era de se esperar de um filme adolescente que se passa em ambiente de high school… É claro que temos a porcentagem de meninas malvadas, das quais se destaca Veronica (Kristine Froseth). Sierra não liga para a menina, mas o passatempo favorito da mesma é atazanar Sierra e dizer comentários realmente maldosos para ela, que não são levados em conta.

Até então tudo ok… Até que um belo dia, Veronica e suas minions do mal estavam em uma lachonete, quando um quarterback se aproxima de Veronica tentando chamar sua atenção. O tal do quarterback é ninguém menos que Jamey (Noah Centineo, o gatinho da Lara Jean!), um garoto doce e gentil, mas claro que tais características passam batidas por Veronica que dá seu número para Jamey, porém sem dizer que o número falso era na verdade de Sierra.

O elenco principal e os personagens em ordem: Veronica, Jamey, Sierra e Dan.

(Reprodução Netflix)

A partir daí, Jamey passa a mandar mensagens para Sierra, que as recebe e começa a responder como se fosse Veronica. Os dois desenvolvem um relacionamento próximo, mas somente através das mensagens sem que Jamey saiba que está falando com outra pessoa – mas ao mesmo tempo se apaixonando pela ideia da mesma.

Que louca, não é?! No meio dessa confusão, Sierra e Veronica acabam se aproximando e a garota decide ajudá-la com o plano maluco, e bom… Digamos que isso é pano pra muita, muita coisa se embolar a partitr daí. Estão curiosos?! Corram já pra Netflix!

O filme está disponível e, assim como o famoso To All the Boys I’ve Loved, é bastante curto e trata de temas importantes, como autoestima, amizade, traição, relações familiares e a busca por ser você mesmo e se descobrir. O roteiro começa super bem e acaba dando uma virada meio desagradável no final, mas vale a pena assistir e tirar suas conclusões! Não deixa de ser uma comédia divertida, gostosa a primeiro momento, e digna de um balde de pipoca no sofá no fim de semana. Nos vemos na próxima, beijos! ♥

 

 

postado por Jhessi

Compartilhe com os amigos: 0 comentários

Leia Também

  • O velho oeste está de volta!
  • IBIZA
  • Para Todos os Garotos que Já Amei
  • 23 de agosto de 2018

    Quem não ama um filme de romance todo leve e gostoso, que te distrai por um tempinho e, quando acaba, te deixa cheia de corações nos olhos? Pela grande quantidade de filmes do gênero já produzidos, é bem claro o quanto essas histórias fazem sucesso, não é? E pensando em adicionar mais uma doze de amor e açúcar na sua vida, a indicação de hoje vem carimbada e com destinatário! Então abre o correio e vem comigo!

    (Reprodução Netflix)

    To All the Boys I’ve Loved Before  (PT: Para Todos Os Garotos Que Já Amei), é um filme de romance produzido pela Netflix e que acabou de chegar no catálogo! Se o nome não parece estranho, é porque não é mesmo: O filme é baseado no livro de mesmo nome, escrito por Jenny Han e seguido de mais dois livros para contar toda a trajetória de nossa personagem principal, porém na telinha vemos somente os eventos do primeiro livro contados com algumas mudanças.

    Os três livros da autora

    No filme, acompanhamos Lara Jean Song Covey, uma jovem doce e amorosa que escreve cartas para seus amores quando sente que o sentimento chegou ao ponto maior e ela precisa de alguma clareza. Escrever com sinceridade no papel a ajuda a se acalmar e entender o poder de suas emoções, e já que são cartas altamente pessoais… É claro que nenhum dos destinatários sabe de suas existências: Lara Jean guarda-as para si em uma caixinha especial.

    Lara Jean, nossa amável protagonista

    (Reprodução Netflix)

    A família de Lara se divide entre o pai e duas irmãs, a mais nova Katie e a mais velha Margot, que coincidentalmente namora Josh, o melhor amigo de infância de Lara Jean e… É, isso mesmo. O crush dela.

    Josh, o ex de Margot e crush de Lara Jean

    (Reprodução Netflix)

    Acontece que os sentimentos de Lara por Josh (escritos em uma carta, é claro) acabam ficando em segundo plano devido ao namoro da irmã, que nem sonha com isso! Mas as coisas mudam quando Margot está prestes a mudar de país para estudar, e termina com Josh.

    A partir daí, uma reviravolta acontece na vida de Laura Jean. Da possibilidade de abertura com Josh e o despertar de suas emoções, algo inesperado acontece: Suas cartas, antes tão bem guardadas, acabam desaparecendo e sendo entregues aos destinatários.

    Um a um, os meninos amados por Laura Jean começam a receber as cartas da época e é claro que isso inclui Josh. Imagina o papelão, né? Mas pra ficar pior, nessa equação também entra Peter Kavinsky, um de seus antigos amores e atual namorado de sua ex-melhor amiga. Ele a aproxima dizendo que “nunca vai rolar”, e francamente Laura Jean não está nem aí… Mas coisas acontecem e ele acaba pedindo ajuda dela para fingir um namoro para cutucar a ex.

    E, bom… Vocês já devem imaginar o que acontece, né?

    Peter e Lara em seu “trato”

    (Reprodução Netflix)

    Para Todos Os Garotos Que Amei está disponível na Netflix e esperando seu clique! É um filme gostoso, curto e repleto de amor e amizade. Tenho certeza de que você vai adorar, só não esquecer de deixar sua opinião aqui depois que assistir. Beijocas. ♥

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 8 comentários

    Leia Também

  • Séries e Moda
  • Mais uma série de desventuras… em série!
  • O MUNDO FABULOSO DE QUEER EYE
  • 17 de agosto de 2018

    Quem nunca esteve na pindaíba das contas e a vida adulta, e pensou em maneiras absurdas de contornar isso? Comprar um bilhete de loteria, emprestar dinheiro, assaltar um banco… As opções são malucas, mas com certeza você já pensou em algum assim nem que seja por um minuto desespero. E hoje, pra te ajudar a avaliar bem esses momentos, vamos acompanhar o que acontece quando esses pensamentos não ficam só na cabeça e… Bom. Acontecem. Bora lá?

    (Reprodução Netflix)

    GOOD GIRLS é uma série da NBC que estreiou na Netflix em Julho, e quase imediatamente já alcançou o público e ganhou espaço de queridinha. Talvez seja culpa da NBC e seu costume de fazer séries maravilhosas, ou talvez seja apenas o plot doido da série.

    Em Good Girls, acompanhamos a história de três mulheres, donas de casa suburbanas e unidas pela mesma situação: Estão todas na m****, sem um tostão no bolso e precisando contornar isso o quanto antes. A melhor decisão? É claro que foi assaltar um supermercado local.

    O elenco fica por conta de Christina Hendricks (de Mad Men, lembra?) como Elizabeth Boland, a mãe suburbana de quatro filhos que descobre uma traição do marido Dean (interpretado por Matthew Lillard, nosso eterno Salsicha) e que ele torrou toda a grana da família e deixou a casa deles prestes a ser tomada. Retta entra como Ruby Hill, amiga de Beth e uma mãe pra lá de engraçada com seu jeito falante e preocupado, mas mesmo com medo de dar tudo errado, Ruby entra no plano para poder pagar tratamentos para a filha mais nova que sofre de doenças renais. A terceira mãe fica por conta de Mae Whitman, a atriz mais nova das três, mas famosíssima por seus papeis em Scott Pilgrim e As Vantagens de Ser Invisível, porém em Good Girls, ela é Annie Marks, uma mãe solteira que trabalha no supermercado local e está passando por dificuldades com seu ex com um processo por custódia da filha Sadie.

    Ruby, Beth e Annie

    (Reprodução Netflix)

    No meio do desespero, as mulheres decidem assaltar o supermercado onde Annie trabalha. E se a ideia já parece ruim aí… Espera até saber que o supermercado, que elas esperavam ter apenas alguns mil dólares, na verdade demonstrou ter muito, muito mais.

    A partir daí, acompanhamos as mulheres em sua batalha para lidar com o assalto, com o assédio do chefe de Annie que descobre algumas coisas, e com a gangue que surge clamando serem donas do dinheiro à mais. E para pagá-los, as três bolam um plano atrás do outro para que possam quitar as dívidas e não voltar ao estado miserável do começo. E acredite… São planos muito, muito loucos.

    Good Girls está disponível na Netflix em apenas 10 capítulos, e já confirmada para a segunda temporada! É uma mistura de comédia, drama e muita amizade com um final de tirar o folego. Então não espera não e se joga no sofá esse final de semana e dá play nessa belezinha! Até mais. ♥

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 6 comentários

    Leia Também

  • ESPECIAL SEXTA-FEIRA 13 E HALLOWEEN + TRAILER NOVO DE STRANGER THINGS
  • O MUNDO FABULOSO DE QUEER EYE
  • STRANGER THINGS: SEGUNDA TEMPORADA
  • 26 de julho de 2018

    Quem nunca ouviu uma história incrível que envolvesse mitologia? Criaturas mágicas, deuses do Olimpo, seres sobrenaturais, deusas com poderes sobre a colheita e os homens… São várias as fontes de histórias que envolvem esse mundo vasto. E é claro que, com tanto pano pra manga, a indústria cinematográfica não deixaria de se lambuzar na hora de criar, certo? Pensando nisso e em uma notícia confirmada, a recomendação de hoje traz uma série que usa e abusa, de maneira incrível, desse tema!

    (Reprodução Starz)

     AMERICAN GODS (PT: Deuses Americanos) é uma série da Starz, baseada no livro homônio  do gigante da literatura de fantasia, Neil Gaiman. Se o nome não te traz nada de imediato, é só lembrar de filmes como Coraline, Stardust… Todas obras baseadas em livros do autor.

    Assim como o livro, o plot se passa ao redor da vida de Shadow Moon (Ricky Wittle), um homem normal que acaba de cumprir três anos de prisão e está voltando para casa, para reencontrar sua amada esposa Laura Moon (Emily Browning), que o espera ansiosamente.

    Shadow Moon, o personagem principal (e lindo de morrer)

    (Reprodução Starz)

     O problema começa quando, na semana de sua liberação, Shadow é chamado  antecipadamente e recebe a notícia de que sairia mais cedo. Motivo? Sua amada esposa sofrera um acidente automobilístico e morrera naquela manhã. A partir daí, começa a jornada de Shadow.

    Laura, a “dead wife” (você vai saber o motivo quando assistir!)

    (Reprodução Starz)

     Arrasado, ele sai da cadeia sem perspectivas de vida, e na viagem de avião conhece um homem misterioso que se apresenta como Wednesday (Ian McShane). O homem, em meio a uma conversa longa, lhe oferece um emprego de guarda-costas. Shadow acaba aceitando, mesmo mal conhecendo o rapaz, pois, como já dito, não tinha mais perspectivas após a morte da esposa.

     E se até aí as coisas parecem ruins… Ao chegar no enterro, Shadow descobre algo que ninguém havia lhe contado até o momento: Sua querida Laura morrera em um acidente de carro junto de seu melhor amigo. E, sim, os dois estavam tendo um caso.

     Com isso, começa a jornada. A série trabalha de modo ardiloso e silencioso, de maneira que não entrega informações explicitamente, mas vai dando ao leitor dicas e chances de entender quem são os personagens, de onde vem e o que estão fazendo. Mas algo é claro: Se trata de um mundo onde deuses da mitologia antiga e moderna existem, e Wednesday quer trazer de volta a época de ouro dos mesmos em uma grande batalha.

    Em ordem: Wednesday, Mad Sweeney, Laura, Shadow, Technical Boy e Queen of Sheba

    (Reprodução Starz)

     Produzida por Bryan Fuller (de Hannibal, lembra?), a série conta com efeitos magníficos e cenas muito belas. Em especial, gosto bastante do episódio 7: A Prayer for Mad Sweeney, que retrata a história do personagem Mad Sweeney (Pablo Schreiber), um leprechaun. O episódio é todo passado na Irlanda e conta uma história bela e sensível, sempre mostrando camadas e camadas dos personagens. Mas não se preocupe, há várias histórias ao longo dos oito episódios, e sem dúvidas você vai encontrar alguma que vai gostar mais!

    A maravilhosa Gillian Anderson (Media) em homenagem a David Bowie

    (Reprodução Starz)

     A série estreou em 2017 e conquistou o público depressa, e para alegria daqueles que acompanharam ou apenas gostam de sua temática, a segunda temporada (que havia sido confirmada, mas sem datas) foi confirmadíssima para 2019. Ou seja, dá tempo de assistir e ficar a par de tudo!

     Lembrando que essa série o é da Netflix e nem está no catálogo, porém, pode ser vista em demais sites de stream da internet ou no Stremio, um aplicativo que disponibiliza vários títulos de graça.

     Tá esperando o quê?!

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 11 comentários

    Leia Também

  • ESPECIAL SEXTA-FEIRA 13 E HALLOWEEN + TRAILER NOVO DE STRANGER THINGS
  • Defensores
  • O MUNDO FABULOSO DE QUEER EYE
  • 19 de julho de 2018

    Oi, pessoal! Ultimamente vocês perceberam como tem aumentado o número de séries sendo produzidas foram do eixo norte-americano/britânico? Exemplos disso são Dark, La Casa de Papel, 3%… Várias produções incríveis que saem dos modelos aos quais estamos acostumados.

    Pensando nisso, a sugestão de hoje é uma série dinamarquesa da qual eu quero falar há um tempinho! Então pega seu guarda-chuva e vem porque nessa chuva é melhor não se molhar.

    (Reprodução Netflix)

    The Rain (PT: A Chuva) é uma série dinamarquesa da Netflix de ficção científica, e entrou pra grade em maio desse ano e logo no finalzinho do mesmo mês já foi renovada para uma segunda temporada. É mole?!

    O roteiro de The Rain é o seguinte: Na Escandinávia uma espécie de vírus mortal surgiu e fugiu de controle do governo imediatamente. O vírus era capaz de matar instantaneamente ou deixar as pessoas doentes por muito tempo até morrerem. Até aí nada diferente de mais um filme apocalíptico, né? Mas a diferença e ponto chave dessa série mora no seguinte detalhe: Esse vírus é transmitido através da chuva.

    Isso mesmo! Desde sua aparição, ficou descoberto que as chuvas periódicas que passaram a acontecer na cidade carregavam o vírus, logo, para fugir da transmissão direta é necessário que todos se abriguem da chuva e tentem se manter o mais longe possível da água contaminada.

    Logo no começo da história somos apresentados aos personagens principais, um casal de irmãos, Simone e Rasmus. No início ambos são crianças, Simone sendo a filha mais velha, cujo pai é um dos cientistas envolvidos com pesquisas sobre o vírus. Logo que ele fica sabendo que a chuva vindo para a cidade é capaz de matar os humanos, ele leva a família para uma espécie de abrigo subterrâneo que a companhia na qual trabalha tem espalhados por toda a cidade.

    Rasmus e Simone no começo da série, antes da chuva.

    (Reprodução Netflix)

    Porém como nenhuma série desse gênero começa bem… O pai deixa os filhos com a mãe no bunker e vai atrás de uma cura. Porém um incidente acontece dentro do abrigo e as crianças tentam fugir quando alguém surge batendo na entrada, achando que se trata do pai voltando imediatamente. Mas aí o pior ocorre: A mãe deles, para impedir que as crianças fossem puxadas para fora ou que deixassem o homem desconhecido entrar, acaba saindo e sendo pega pela chuva, morrendo na frente dos filhos.

    A partir daí, Simone decide fazer de tudo para proteger seu irmão, uma vez que aprendemos logo de início que ele é supostamente uma chave importante para essa história do vírus.

    Sozinhos, os dois passam a morar dentro do abrigo, jamais saindo, e crescendo um ao lado do outro. Seis anos acabam se passando, e com eles vão surgindo mudanças no crescimento de ambos e dificuldades, como a escassez de alimentos que chega ao fim. Em uma discussão para sair do bunker e pisarem no mundo lá fora, do qual não tem notícias há seis anos, os irmãos acabam abandonando o abrigo.

    E aí a série começa a pegar ritmo! Acompanhamos Simone e Rasmus em sua luta para sobreviver e encontrar o pai, acabando por encontrarem um grupo de demais sobreviventes e fazendo amizade.

    O grupo de sobreviventes em ordem: Martin, Simone, Rasmus, Beatrice, Jean, Lea e Patrick.

    (Reprodução Netflix)

    A série é curta, tem apenas oito episódios, mas são episódios densos e com tantas reviravoltas que você fica maluco assistindo! Porém de um jeito bom. Em meio a uma Escandinávia abandonada, acompanhamos a história dos irmãos e as relações entre o grupo, tendo contato com arcos de romance, briga, ciúmes e muito mistério. Tá esperando o que para conferir?

    A série tem uma pegada parecida com as séries norte americanas, mas que é bem única e infinitamente bonita. Corre lá e me conta depois! ♥

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 0 comentários

    Leia Também

  • NOVIDADE NETFLIX: THE END OF THE F***ING WORLD
  • LOVE: A terceira e última temporada
  • Para Todos os Garotos que Já Amei
  • 1 2 3 6