12 de abril de 2018

Quem nunca perdeu o horário de dormir para ficar assistindo uma série até tarde, né? Várias e várias vezes da minha vida eu fiquei mais tempo do que devia apenas maratonando algo, esquecendo do despertador pela manhã e da aula ou do trabalho cedo… Mas a satisfação de ver mais aquele episódio valeu! E a dica de hoje é justamente sobre isso: Uma série capaz de te prender na frente da telinha por horas a fio por ser completamente viciante, um fenômeno mundial que voltou com tudo para nos manter vidrados!

Então pega o balde de pipoca, a máscara e o dicionário de espanhol e vem acompanhar o que tá rolando na segunda temporada de La Casa de Papel!

(Reprodução Netflix)

La Casa de Papel (Ou Money Heist no título inglês) é uma série que estreiou na Netflix lá em Dezembro de 2017 e que simplesmente explodiu na grade! Embora não seja uma série de agora, na época do lançamento no serviço de streaming a produção ganhou um espaço absurdo entre os telespectadores! Já falei dela aqui no blog e pude notar como a fama era real: Em todo lugar era possível encontrar pessoas comentando da série e roendo unhas com as reviravoltas incrívels do roteiro, todos extremamente ansiosos para saber o que diabos acabaria da maior história de roubo de banco da Espanha!

E para nosso alívio, na semana passada a segunda parte de La Casa de Papel chegou no catálogo da Netflix! E após maratonar a série por alguns dias e terminar madrugada adentro, eu venho aqui resumir tudo em uma única palavra: ESPETACULAR!

A segunda parte dessa série que prendeu milhares de pessoas com sua história parte exatamente do momento final da primeira parte, quando vimos o Profesor (Lembra dele? A cabeça por trás do plano perfeito) prestes a ser desmascarado e ter seu disfarce e romance com a Inspetora Murillo cair por água abaixo…

Se você viu a primeira parte, com certeza ficou de queixo caído e sem alguns fios de cabelo como eu, tamanha ansiedade que essa série provocou! Então já venho avisar que se você sofreu com a tensão antes… Prepare-se, ela estará dez vezes mais forte agora!

O plot segue e assistimos o Profesor se safar magistralmente de mais um beco aparentemente sem saída, e voltamos a conhecer sua habilidade de ter planejado cada detalhe do plano, de modo que, sim, ele ainda tem saídas para qualquer coisa que dê errado!

Dentro da prisão, a situação segue tensa, pois já começamos com o time em puro clima de briga, sem notícias de fora do Profesor e prestes a entrar em uma guerra particular entre os membros. Sim, se na primeira parte já houveram fagulhas entre os ladrões, essa segunda parte veio para mostrar que o buraco é ainda mais embaixo!

Em oito episódios, a série trouxe mais uma onda absurda de ansiedade e cenas que te deixam a beira de um colapso nervoso, mas que são tão inexplicavelmente vidrantes que é impossível ver um só episódio por vez! Desta vez as reviravoltas envolvem mais uma tentativa de fuga por parte dos reféns (Alô Arturito), três mortes (infelizmente), e até mesmo um dos ladrões subitamente saindo do banco à força… E voltando depois! Dá pra acreditar nisso?!

(Reprodução Netflix)

O ritmo de aventura e a fotografia impecável se mantém em toda essa segunda parte e percebemos mais enquadramentos belíssimos, que transformam a série em um sucesso não somente de roteiro, mas também visual, por ter sido muito bem gravada! As cenas de emoção forte são de tirar o fôlego e desta vez podemos afundar mais na atuação dos atores e perceber como cada um pôde viver seu personagem de fato, ficando difícil enxergar alguém real por trás de uma criação.

E por falar em personagens… A gangue segue roubando a atenção! Personagens em especial como a Nairobi e Berlin brilharam absurdamente nessa temporada, nos dando maiores perspectivas de suas histórias e motivações. E, é claro, sobre o roubo… Não dá pra deixar de falar que tudo se conclui de modo espetacular, não é? Mas pra saber exatamente tudo o que acontece, não tem jeito: Vocês terão que assistir!

Então corram pra Netflix e caiam de braços abertos nessa aventura de tirar o fôlego, pois se tudo valeu a pena antes… Agora vale mais ainda, pode confiar! Vejo vocês nos comentários. ♥

postado por Jhessi

Compartilhe com os amigos: 14 comentários

Leia Também

  • Sierra Burgess is a…
  • CINEMINHA: LIGA DA JUSTIÇA
  • IBIZA
  • 5 de abril de 2018

    A onda de novas temporadas chegou e, como boa espectadora assídua de séries, é claro que eu ia me esbanjar nas novas histórias das minhas séries favoritas e vir aqui contar tudo pra vocês, né? Então preparem-se que o post de hoje será sobre uma das séries atuais de comédia mais incríveis e originais! Você está com fome? Se não, tudo bem, pois estaremos de dieta hoje! Pode entrar, temporada 2 de Santa Clarita Diet!

    (Reprodução Netflix)

    Santa Clarita Diet (PT: Dieta de Santa Clarita) é uma série original da Netflix que nasceu lá em 2017, no modelo “single-camera”, que é um tipo de filmagem e produção de séries onde quase tudo é feito com uma única câmera ao invés de várias pra cada tomada e ângulo e blablabla!

    O plot da série gira em torno de um casal de corretores de imóveis que moram em um subúrbio de Los Angeles, interpretados pela queridíssima dupla Drew Barrymore (a rainha dos anos 90/2000!) e Timothy Olyphant. Na primeira temporada acompanhamos a reviravolta que assola a família Hammond quando Sheila (Drew Barrymore) subitamente contrai um vírus que a faz vomitar horrores um dia e, logo após isso, passar a comer carne humana. Apenas carne humana.

    A partir daí, o casal e a filha Abby (Liv Hewnson) partem em uma aventura para descobrir o que houve com Sheila, como lidar com os novos hábitos da mãe e o que tanto precisam saber sobre sua condição, além de se livrarem da suspeita quanto aos assassinatos que passam a rolar pra que Sheila tenha seu “ranguinho”. No final dessa temporada (que teve 10 episódios), somos abandonados com um tremendo cliffhanger no qual Sheila está prestes a piorar e se tornar uma espécie de “zumbi” descontrolada a não ser que alguém consiga fazer a cura!

    E depois de muita espera e muita curiosidade, no dia 23 de Março a novíssima temporada chegou no catálogo da Netflix com mais 10 episódios pra sanar essa dúvida mortal! Ou morta-viva, no caso de Sheila.

     

    (Reprodução Netflix)

    Nessa nova temporada, acompanhamos logo de início a continuação do último episódio da primeira, e, spoiler adiante!!!, iniciamos com Sheila finalmente recebendo a sua cura! Mas não para deixar de ser uma morta-viva canibal, porém apenas impedi-la de piorar sua condição ou começar a perder partes do corpo em deterioramento.

    Essa pausa no seu iminente fim abre espaço pra novos questionamentos e um novo foco: Descobrir o que causou essa bagunça e como Sheila virou o que é agora. E é a partir disso que a nova temporada toma um rumo MUITO melhor que a da primeira e MUITO mais divertido!

    Os personagens iniciais voltam de formas novas, como Abby em seu arco de ser uma jovem rebelde e indomável, o vizinho Eric (Skyler Gisondo) que ajuda o casal em mais situações mirabolantes ainda, e até mesmo a descoberta de novos canibais morto-vivos… SIM! Na primeira temporada apenas conhecemos Sheila como alguém que foi afetada pelo caos desse vírus, mas na segunda temporada descobrimos mais pessoas e isso torna a coisa muito mais interessante!

    Além do mais, conforme os episódios avançam, descobrimos a causa de tudo… E ela está, veja bem, na comida! Um determinado restaurante famoso da série serviu um prato especial no dia anterior ao qual Sheila adoeceu, e foi ali que o perigo começou, colocando o casal mais uma vez na jornada de tentar reverter a situação para que isso deixe de acontecer e a humanidade não acabe em um apocalipse canibal!

    Santa Clarita Diet é uma série fantástica em termos de humor! Cheia de piadas, duplo-sentidos, cenas gráficas com sangue, mas que são colocadas de um modo extremamente engraçado e tão fake que é impossível ter medo! Além do mais, os personagens são cativantes e a corda bamba constante de tudo estar prestes a dar errado com os vizinhos, ou dar muito certo com os planos, é o que mantém o ritmo de tirar o fôlego da série!

    Se você curtiu muito a temporada 1, saiba que a 2 está melhor ainda! Muito mais complexa e cheia de detalhes, além de viradas no plot a cada episódio praticamente! Mas se você nunca viu nada da série e tá começando agora… Pode ir que vai adorar! Santa Clarita Diet é pra todo mundo, pois apesar do tema meio gore, retrata o cotidiano de uma família tentando se manter junta apesar dos pesares. E que pesares, não é mesmo?

    Então corre lá pra Netflix e dá o seu play! E, claro, não esquece de vir aqui me dizer o que achou. Beijos.

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 7 comentários

    Leia Também

  • O MUNDO FABULOSO DE QUEER EYE
  • Para Todos os Garotos que Já Amei
  • FILMES ORIGINAIS NETFLIX: A BABÁ
  • 23 de março de 2018

    Essa é aquela época do ano em que a maioria das séries renovadas começam a estreias novas temporadas. Foi o caso de Jessica Jones, Santa Clarita Diet (que voltou hoje!) e mais uma dezena de opções cheias de novas aventuras para acompanharmos. E a de hoje ficará por conta de um das melhores e mais agridoces séries dos últimos tempos. Preparados? Apresento-lhes Love!

    (Reprodução Netflix)

    LOVE é uma série original da Netflix. A primeira temporada estreiou com 10 episódios lá em 2016 e fez tanto sucesso que ganhou renovação para o ano seguinte, quando saiu a segunda temporada com 12 partes. E como era de se esperar depois de duas temporadas… A série alcançou o patamar da terceira e última, que chegou no serviço de streaming da Netflix em 9 de Março deste ano, com 12 episódios!

    Mas o que fez Love uma série de tanto sucesso e por que vale a pena assistir? Bem, a resposta é bem simples: porque é uma das produções mais realistas nesse mundo de séries tratando o tão complicado assunto de relacionamentos!

    Em Love, nós acompanhamos a vida de dois personagens principais, Mickey e Gus, interpretados por Gillian Jacobs e  Paul Rust (que também é um dos produtores), respectivamente.

    Mickey é uma garota cheia de problemas. É alcoólatra, viciada em “sexo e amor”, e não faz a menor ideia do que está fazendo com sua vida ou com seu trabalho em uma rádio. Gus é o esteriótipo do “Nice Guy”, um cara nerd que é um pouco mole demais e também não  tem certeza de sua vida, pois não é levado a sério por ninguém, sobretudo no seu trabalho no set de uma série famosa.

    Os protagonistas

    (Reprodução Netflix)

    Logo na primeira temporada, iniciamos com ambos os personagens em conflitos com seus relacionamentos, Gus tomando um pé na bunda da ex e Mickey encrencada com os tipos horríveis de caras com os quais costumava sair. Em determinado momento ambos se conhecem em uma loja de conveniência e a partir daí a história do casal começa.

    Nas duas primeiras temporadas nós acompanhamos a luta de Mickey para ficar sóbria, e de Gus para se tornar alguém com mais garra e que é levado a sério. E é claro que no meio do relacionamento dos dois, somos bombardeados com situações incríveis e extremamente realistas.

    Do medo de se relacionar aos surtos de intimidade e a incerteza de não saber se merecemos algo bom, ou até mesmo quando vamos estragar o que estamos tendo, a série veio mostrando duas perspectivas do tema, uma masculina e feminina, e demonstrando o que é o amor e os relacionamentos para Mickey e Gus. E embora sejam dois personagens, pode apostar que há algo neles ou nas experiências deles que vai falar direto com você, justamente por ser tudo tão verídico e realístico de acontecer ou já ter acontecido!

    A terceira temporada veio para o desfecho dessa avalanche enorme. Acompanhamos Mickey se acertar melhor na vida e começar a fazer sucesso no trabalho, e começamos a ver um lado não tão “Nice Guy” do Gus, mas, afinal, algo que a série faz bastante é mostrar como ninguém é perfeito. E, claro, como todos temos problemas para lidar e como procuramos lidar com estes problemas quando estamos com mais alguém.

    Após altos e baixos, vemos então o desenrolar da relação dos personagens, assim como passamos a acompanhar também a vida dos amigos deles, personagens secundários como Bertie, Chris e Randy, que fazem parte da rotina da série e acabam nos enchendo de mais histórias e alternativas. E, olha, que reviravoltas!

    Se você gosta de uma série que trata de romance, comédia e até drama de uma maneira leve, mas real, tenha certeza de que Love é a pedida certa! E depois de três temporadas é impossível não se apaixonar por esse universo e começar a refletir melhor aqui fora.

    Agora se você já conhece esse casal e acompanha desde antes… Tá esperando o que pra ver como vai terminar? Corre dar play! 😉

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 1 comentário

    Leia Também

  • Sierra Burgess is a…
  • THE RAIN
  • Younger voltou!
  • 15 de março de 2018

    Já não é de hoje que sabemos o tamanho do sucesso que foi resultado da parceria da Marvel com a Netflix, certo? Quando essas duas gigantes se juntaram, nasceram seis séries heróis que vieram agradando o público e conquistando mais fãs, como é o caso de “Demolidor“, “Jessica Jones“, “Luke Cage“, “Punho de Ferro“, “O Justiceiro” e “Os Defensores“. Cada série mostra um universo particular de um personagem até todos se juntarem em “Defensores” (que tem resenha aqui no blog!), mas é claro que é impossível não dizer que, das seis, sempre tem uma favorita… E o post de hoje é pra justamente falar da melhor série que nasceu dessa junção! Pode vir, Jessica Jones!

    (Reprodução Netflix)

    Jessica Jones é a segunda série que surgiu da parceria Marvel-Netflix e estreiou lá em Novembro de 2015 na plataforma de streaming. Logo de começo já conquistou milhares de pessoas por se tratar de uma produção de mulheres COM mulheres, colocando em pauta assuntos polêmicos como abuso, estresse pós-traumático, estupro e muito, muito feminismo! Mas como tudo que é bom dura pouco, a primeira temporada foi engolida rapidinho pela galera e aí ficamos no breu da incerteza de uma segunda temporada…

    Para nossa alegria, a segunda temporada foi confirmada de Janeiro de 2016 e agora, quase dois anos e meio depois, Jessica Jones finalmente está de volta!

    A segunda temporada de JJ lançou dia 8 de Março, coincidentemente Dia das Mulheres! Dá pra ser mais super que isso? E como se não bastasse a divulgação pesada, cada título de episódio foi mostrado através de uma série de ilustrações sobre a série (olha isso!)

    Na primeira temporada nós acompanhamos a luta de Jessica (a incrível Krysten Ritter) contra o vilão Kilgrave (David Tennant), seu antigo abusador com poderes de forçar as pessoas a fazerem o que ele queria. A briga foi feia e durou longos episódios, mas acabou no fim! Só que deixou algumas sequelas na Jessica e muitas, muitas questões abertas…

    A nova temporada veio para destrinchar essas questões! Sem Kilgrave para lidar, acompanhamos Jessica de volta ao seu trabalho na Alias Investigation, agora com seu vizinho e amigo Malcolm Doyle (Eka Darville) como parceiro (mesmo que Jessica não admita).

    Como de costume, diaramente uma dezena de pessoas vão até o apartamento de Jessica, sede da Alias, pedir ajuda com seus casos de investigação, e no meio dessa galera surge um rapaz estranho dizendo que tinha poderes e que estava sendo perseguido… Pavio curto que é, a Jessica ignora isso e mais tarde descobrimos que o rapaz não era tão louco assim. E é aí que tudo começa!

    Sem maiors spoilers, a nova trama da série gira em torno da IGH, uma organização secreta que  foi responsável por dar os poderes à Jessica depois do acidente em que sua família morreu (como vimos na temporada 1)! Novas perguntas e dúvidas do passado de Jones são colocadas à tona e então somos bombardeados por completo por um segredo da família dela que havia ficado encoberto por muitos, muitos anos!

    No meio disso tudo, também vemos as relações de Jessica sofrerem junto dessa correria para descobrir os efeitos da IGH e até onde experimentos foram feitos. Lembram da Trish Walker (Rachael Taylor), a melhor amiga e irmã famosa da Jess? Ela está de volta e ainda mais sedenta em fazer o bem! O que nos coloca diante de mais um questionamento enorme na vida de alguém com super poderes e pouca paciência como a Jessica: Virar ou não virar uma heroína e usar seus dons para o bem?

    Malcolm e Trish na nova temporada

    (Reprodução Netflix)

    Cheia de perguntas existenciais e discussões sobre o papel de cada um no mundo, essa temporada veio recheada de novas informações de tirar o fôlego! Além de tudo, as cenas de ação estão de volta e, é claro, quase nunca sem uma garrafa de whisky barato para acompanhar, afinal, sabemos de quem estamos falando, não é?

    E apesar de ser quase uma série toda de mulheres para mulheres, o que fica claro nessa nova trama é que Jessica Jones veio para discutir nossos deveres e duvidas como seres humanos e sociedade, e nos fazer repensar na forma como vemos as pessoas e as tratamos! E ainda mais: Como lidar com o perdão e o peso de nossas ações.

    Então se você já viu a primeira temporada e gostou, ou nunca assistiu nada e queria acompanhar, eu já recomendo correr dar play na Netflix e acompanhar essa aventura incrível! Os novos eventos estão simplesmente fantásticos e tenho certeza de que renderão boas conversas e aqueles minutinhos de reflexão, além da inspiração de ter uma mulher forte e durona como a Jessica comandando um universo geralmente visto como masculino, né? Girl Power neles! ♥

     

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 3 comentários

    Leia Também

  • Santa Clarita está de dieta… De novo!
  • LA CASA DE PAPEL (E COMO TORCER PARA OS VILÕES)
  • Defensores
  • 8 de março de 2018

    Não sei vocês, mas eu particularmente adoro aquelas séries que focam em transformações! Seja da pessoa, da casa ou de outro aspecto, séries que focam em uma equipe tomando conta da vida de alguém e tornando-a melhor é uma das minhas maiores paixões!

    Pensando nisso, o post de hoje vem com uma indicação um pouquinho diferente da categoria de sempre, mas que, eu garanto, vale tanto a pena quanto!

    Preparem-se para o mundo fabuloso de Queer Eye!

    (Reprodução Netflix)

    Pra quem ainda não ouviu falar, Queer Eye é um makeover show (essas séries de transformações) da Netflix que lançou em Fevereiro! Nele, cinco homens gays se reúnem e tem como missão transformar a vida de alguém indicado! Geralmente é outro homem hétero, mas vocês descobrirão que as coisas podem mudar entre um episódio e outro!

    A transformação é baseada em cinco áreas que a equipe, conhecida como The Fab Five (algo como Os Cinco Fabulosos), é expert. Ou seja, cada um dos homens do F5 tem uma especialidade, de cabelo ao design de casa, e eles juntam forças para transformar todos esses aspectos do nomeado da vez!

    Parece algo fantástico e talvez um pouco familiar, não? Se soou parecido pra você, é porque você talvez já tenha ouvido falar dessa série, já que o Queer Eye atual é, na realidade, um reboot da série original, de mesmo nome (mas com o título completo de “Queer Eye for the Straight Guy”) de um canal chamado Bravo, que passava lá em 2003 e durou até 2007, ganhando muitos prêmios! A ideia era basicamente a mesma, mas os integrantes do F5 inicial eram outros. Em 2018, a Netflix reviveu a série com outro elenco e criou essa maravilha de apenas oito episódios!

    O novo elenco do F5 é simplesmente maravilhoso! Conforme você vai assistindo os casos e se emocionando, vai também descobrindo coisas fantásticas sobre a vida e trabalho de cada um, de modo que é impossível não ter seu favorito!

    O Fab Five atual é composto por: Bobby Berk (design), Antoni Porowski (gastronomia), Jonathan Van Ness (cuidados pessoais), Tan France (moda) e Karamo Brown (cultura e comportamento). Cada um dos rapazes é único, porém, como um todo, eles trabalham tão bem e são tão divertidos que transformam o show em algo super gostoso de acompanhar! Cada caso traz alguém diferente, em uma situação diferente e com necessidades diferentes, de maneira que acompanhar essas transformações se torna uma aventura gigante e totalmente viciante! E, é claro, super inspiracional.

    THE FAB FIVE (na ordem da foto): Bobby, Karamo, Antoni, Jonathan e Tan.

    (Reprodução Netflix)

    E sabe o que mais tem de bacana? Cada fim de episódio traz uma espécie de bônus, seja uma dica sobre produtos caseiros, uma receitinha de comida ou bebida e até técnicas de relaxamento. Tem como não amar uma série dessas? Eu acho que não!

    Agora, se você nunca nem ouviu falar desse tipo de programa ou não sabe se vai gostar… Eu recomendo assistir pelo menos o episódio um, que é lindo de morrer! Como a série é um reboot, os episódios são reduzidos em apenas oito, com cerca de 40 e poucos minutos de duração. Ou seja, quase uma série normal, hein? Só que com a diferença de ser real e muito, muito mais fabulosa!

    Se você quer uma experiência nova e gostou da ideia da série, ou até é amante dos shows de makeover como eu, corre dar play em Queer Eye e depois me conta qual é o seu favorito! Essa série tem ganhado muito reconhecimento e críticas boas, além de abrir espaço para discutir questões como homofobia, machismo (como explica essa matéria super bacana!) e aceitação, então pode acreditar quando eu digo que não é nada difícil cair de amores por ela. As situações são reais, as lutas são reais, e as mudanças também! Tá esperando o quê pra ver com os próprios olhos? Beijinhos e até mais. ♥

    postado por Jhessi

    Compartilhe com os amigos: 12 comentários

    Leia Também

  • Para Todos os Garotos que Já Amei
  • Nova Temporada de Black Mirror
  • Good Girls (ou não)